fbpx

Fique por dentro

Notícias, eventos e artigos

Vale a pena treinar os funcionários em injeção de plásticos?

 

Existe uma escassez de mão-de-obra qualificada na indústria de injeção, e existem duas soluções para esse problema: contratar funcionários qualificados que trabalhem nos concorrentes ou melhorar as habilidades de seus próprios funcionários. Cada solução possui vantagens e desvantagens.

Contratação de pessoal de fora da empresa

Isso pode ser algumas vezes complicado. Muitos recrutadores perguntam se o candidato tem especialização na área. O problema é que isso significa apenas que o candidato frequentou e completou um curso na área. Isso traz à mente a velha charada: “Como é que você chama a alguém que fez um curso de medicina em um faculdade de reputação duvidosa e se formou com as piores notas da turma ? A resposta é: “Doutor”.

O diploma não significa nada em termos da capacidade do candidato para trabalhar com outros, do seu nível de competência, da capacidade para transmitir esse conhecimento a outros e incorporar esse modo de pensar na sua empresa.

Quando você contrata alguém novo, frequentemente há resistências. Seus especialistas atuais não vão ser necessariamente gentis com o Guru externo que chega na fábrica e vai logo usurpando as suas posições atuais na fila de promoção da empresa. Além disso, seu novo contratado também vai ser confrontado com a tarefa árdua de converter a atitude de seus funcionários atuais para agir e fazer as coisas de uma nova maneira.

Treinando seu próprio pessoal

A pergunta então se converte em: “quem deve receber treinamento” ? Seu primeiro problema é descobrir se o seu pessoal realmente compreende a técnica de moldagem por injeção. Isso é menos complicado do que parece.

Todavia, em vários casos os gerentes apresentam algumas objeções genéricas sobre o treinamento do seu pessoal:

Primeira objeção:  “Uma vez que eu os treinar, eles pedem demissão, vão para outra empresa e eu vou desperdiçar dinheiro“.

Resposta: Geralmente, este é um problema relacionado à falta de remuneração pelo desempenho do funcionário. Se o treinamento resultar em uma melhora na lucratividade, esses funcionários devem ter direito a um aumento de remuneração proporcional à sua contribuição.

Segunda Objeção: “O treinamento fora da empresa é caro e, na maioria das vezes, os funcionários treinados não transmitem o que eles aprenderam aos outros depois que retornam do curso”.

Resposta: Correto, MAS:
1. Não envie seus funcionários para uma escola. Lá, as máquinas, moldes e outros itens são todos “perfeitos”. Ao invés disso, traga a escola para a sua fábrica.

2. Traga o instrutor não só com uma palestra em PowerPoint, mas também com livros ou outros materiais escritos. A maioria das pessoas esquece muito do que foi aprendido em uma aula de um dia. O livro permitirá que eles façam consultas e atualizem sua memória. Assim como no ensino médio ou na faculdade, os participantes não devem ter que fazer anotações extensivas durante a aula. Eles estão lá para aprender, não para escrever seu próprio livro-texto.

3. O treinamento não deve ser uma palestra com nível de pós-graduação. Embora o cálculo do comportamento de um polímero seja interessante, sua aplicação prática, despida de todas as equações, é o que gera lucros. Se forem necessários cálculos complexos, dê aos treinandos planilhas previamente montadas, com os cálculos complexos embutidos – e espaços em branco somente para entrada de dados.

4. Mesmo que seja necessário um dia extra, consiga que o instrutor divida a turma em grupos e os mande para o chão da fábrica para PROVAREM ter absorvido as instruções.

5. Cuidado com o “marketing” durante o curso. Se o seu instrutor estiver usando conceitos que só mostram resultados se houver a compra de equipamentos complementares, você não deve pagar essa pessoa para passar um dia fazendo propaganda.

Objeção 3: “Por que devo pagar um instrutor? Será que o pessoal de assistência técnica dos fabricantes de máquina ou dos fornecedores de resinas não pode dar o treinamento ? Nós já gastamos muito dinheiro com eles”.

Resposta: Há mais vinte anos, esta seria uma objeção válida. Hoje em dia, os fornecedores de resinas tem pouca disponibilidade de pessoal: podem ter somente uma ou duas pessoas para cobrir um vasto território. E as empresas de máquinas podem lhe ensinar bastante sobre como tirar o melhor proveito de suas máquinas, mas não muito além disso.

Objeção 4: “Eu não posso parar a fábrica para o treinamento. Estamos muito ocupados”.

Resposta: Grande parte das empresas ainda trabalha em uma semana de cinco dias com três turnos. Não é tão difícil como pode eventualmente parecer montar um curso no fim de semana – seja em dois sábados consecutivos ou em um único fim de semana, com uma aula no sábado e uma sessão prática no domingo.

Para fábricas que operam em regime de 24/7, eu já dividi a aula e a parte prática em segmentos de quatro horas. Mesmo que o instrutor perca algum sono fazendo isso, você pode agendar as pessoas para assistirem a cada segmento começando a trabalhar mais cedo ou ficando após o término do turno.

Objeção 5: “Já estamos indo bem! Não precisamos de treinamento para “otimizar”.

Resposta: Verdadeiro, se você pode absorver o custo de uma remessa de venda ocasionalmente rejeitada ou não se preocupar em ser pressionado para baixar o seu preço sob a ameaça de “Eu tenho gente que pode fabricar as suas peças melhor e mais barato” ou, ainda, se não se importar em perder a oportunidade de melhorar os lucros.

Albert Einstein disse uma vez: “Se você não pode explicar algo de forma simples, é porque você não o entende bem o suficiente”.

Por Bill Tobin*

*Bill Tobin é especialista em Injeção de Plásticos. Com mais de 40 anos de experiência na área, é autor de 23 livros técnicos e apresenta regularmente cursos e seminários em vários países ao redor do mundo

FONTE Plastic Today

 

Confira também os 5 erros mais comuns em projeto de injeção de plástico, e como evita-los