fbpx

Fique por dentro

Notícias, eventos e artigos

Você conhece os 9 pilares da Indústria 4.0?

A transformação digital vem impactando toda a estrutura produtiva por meio da convergência de tecnologias digitais em substituição às grandes instalações, que, além de ocuparem espaço, são totalmente dependentes da interação humana. Com cada vez mais soluções inteligentes e autônomas, os nove pilares da Indústria 4.0 tornaram os processos mais eficientes, rápidos e flexíveis.

O que é a Indústria 4.0?

A Quarta Revolução Industrial, também conhecida como Indústria 4.0, parte do princípio de utilização de tecnologias digitais para otimizar os processos de produção. Além de equipamentos mais modernos para automação de atividades, o conceito inclui a padronização de ações, análise de dados e um novo modelo de gestão. Toda essa cadeia visa garantir a efetividade dos procedimentos, tomadas de decisão e a redução de falhas, desperdícios e custos.

 Enquanto a Indústria 1.0 surgiu durante a Revolução Industrial (1760-1840), o primeiro grande passo da implementação tecnológica, a Indústria 2.0 (1913) contou com a contribuição automobilística para o desenvolvimento fabril. Nos anos 1970, surgiram os primeiros sistemas de automação trazidos pela Indústria 3.0, já em 2011, pela primeira vez, foi mencionado o termo Indústria 4.0.

Quais são os pilares da Indústria 4.0?

Segundo o relatório do Boston Consulting Group (BCG), são nove os pilares da Indústria 4.0, considerados tecnologias determinantes para a produtividade e crescimento do setor. Veja quais são:

1. Big Data e Analytics

 A análise mais aprofundada (Analytics) e a gestão de grandes volumes de dados (Big Data) contribuem diretamente para a compreensão de resultados, otimização dos processos e melhora na performance. Isso permite a redução do consumo de energia e materiais, diminuindo os custos e riscos de falhas, e o aumento no ganho de qualidade na linha de produção. Toda essa coleta e avaliação de informações de fontes diversas é feita por meio da integração de softwares, equipamentos e sistemas de produção.

2. Robôs autônomos

Ao incorporar mecanismos inteligentes em seus processos, o setor industrial garante ganhos de tempo e desempenho. Um robô colaborativo autônomo é capaz de realizar comportamentos ou tarefas com muita autonomia, dentro dos limites estritos de seu ambiente direto, podendo desempenhar funções diversas.

Mais do que isso, robôs podem trabalhar por períodos prolongados sem intervenção humana, de modo a maximizar desempenhos, como também realizar tarefas mais complexas, perigosas ou prejudiciais às pessoas, assumindo a execução de atividades padronizadas e complicadas. Outro recurso importante é o cálculo e compreensão automáticos sobre locomoção e o meio ambiente.

3. Integração com sistemas

Na Indústria 4.0, a integração de sistemas é um fundamento-chave no que diz respeito à digitalização de dados. A partir de uma conexão em rede via ERP, MES ou CAP, todas as informações de diferentes setores de uma empresa são interligadas vertical e horizontalmente, de modo a facilitar a coleta, armazenamento e compreensão desses dados.

 No sentido horizontal, esse material trafega por sistemas de Tecnologia da Informação (TI), criando fluxos na cadeia de fornecimento de valor. Já o conceito vertical consiste na hierarquização de componentes internos, que vão desde a fábrica até o departamento de gestão da companhia. Todo esse processo, além de criar uma cadeia produtiva unificada, possibilita uma comunicação mais eficiente e melhora a tomada de decisões.

4. Realidade aumentada

 Essa tecnologia pode ser utilizada em uma vasta variedade de serviços. Com ela, é possível enviar instruções de montagem via dispositivos móveis para o desenvolvimento de peças ou reparos utilizando óculos de realidade aumentada para operar determinados equipamentos.

 Trata-se de um recurso ainda pouco utilizado, mas que poderá fornecer informações em tempo real e melhorar a tomada de decisões e procedimentos de trabalho. Outra aplicação é o treinamento virtual em ambiente 3D, no qual o time pode simular e se preparar para situações de risco.

 5. Simulação

 A utilização de ferramentas de simulação proporciona uma interação entre o mundo físico e virtual e tem como principal vantagem garantir melhores decisões sobre investimentos caros e complexos. É uma técnica baseada na matemática e em representações 3D que possibilita testar processos sem interromper ou prejudicar a produção, a fim de otimizar resultados e reduzir custos e consumos.

 Os dados captados em cada simulação são analisados e inseridos em diferentes variáveis, cenários e situações, gerando novos indicadores e possíveis soluções para diferentes falhas ou melhorias a serem feitas. Dentro desse conceito, podem ser testados diversos elementos, como produtos, máquinas, pessoas, materiais, processos, tempo. Na Indústria 4.0, toda simulação produz dados em tempo real.

6. Nuvem

Com tantos dados e demandas a serem armazenados e compartilhados em tempo real, a computação em nuvem surgiu como uma excelente ferramenta para garantir eficiência e redução de custos. Isso porque o recurso elimina a necessidade de compra e manutenção de grandes estruturas de TI, além de oferecer agilidade e o acesso remoto a quaisquer arquivos e informações. No mundo todo, diversas companhias já utilizam softwares em nuvem, possibilitando funcionalidades integradas em tempo real.

7. Cibersegurança

Na Indústria 4.0, todas as áreas de uma empresa estão conectadas em redes corporativas (TI), automatizadas e operacionais (TA), o que exige sistemas robustos de cibersegurança para proteger dados e evitar falhas e ameaças de invasão. Assim, é cada vez mais comum que as companhias apostem em comunicações mais seguras e confiáveis a partir de modelos sofisticados de gerenciamento e acesso a máquinas.

8. Internet industrial

Também conhecida como a internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), a internet industrial consiste na conexão em rede entre máquinas, objetos e ambientes por meio de dispositivos eletrônicos. Esse recurso possibilita a coleta, armazenamento e troca de informações de forma ágil e eficiente integrando tecnologias por meio de uma rede baseada em IP.

9. Manufatura aditiva

Também conhecida como impressão em 3D, a manufatura aditiva é um processo utilizado para a criação de objetos tridimensionais e de geometria complexa a partir de desenhos digitais pelo CAD ou fontes eletrônicas de dados, como um arquivo de Additive Manufacturing File (AMF). Com isso, é possível produzir peças e protótipos detalhados em baixa escala e trazer vantagens estratégicas para a empresa.

Na manufatura aditiva, a confecção de produtos é comumente feita a partir da adição de materiais em camadas de pó, que tomam a forma em três dimensões. Na Indústria 4.0, esse método é fundamental para reduzir custos de fabricação, personalização e transporte, além de diminuir o desperdício de matéria-prima.

Com 20 anos de história e experiência no setor industrial, o Grupo Alltech oferece tudo para usinagem e injeção plástica. Nossos produtos e serviços estão todos integrados à Indústria 4.0, e contamos com soluções exclusivas para colocar sua empresa no futuro. Confira nossa linha de

, projetos de automação e consultoria.

Alltech Máquinas e Equipamentos LTDA